Piedade de nós, Senhor!



12 novembro, 2014


A cada momento o orgulho bate à nossa porta, ou melhor, ele não bate à porta, entra sem ser convidado e sem mesmo pedir licença. O mal do orgulho – pecado dos nossos primeiros pais – nos acompanha durante a vida toda. E como é difícil vencê-lo! Ora nos achamos melhores que os outros, ora imaginamos que sabemos e compreendemos tudo, ora achamos que somos uma “fortaleza” e conseguimos vencer a toda tentação; enfim, muitas vezes achamos que somos a perfeição em pessoa. Ledo engano!

Para agradar a Deus é necessário se fazer humilde. A palavra nos ensina que “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (Tiago 4,6). É necessário se reconhecer pecador e dependente da graça de Deus, porque por nós mesmos, nada podemos. Cristo mesmo vai nos dizer que “… sem mim nada podeis fazer. (João 15,5). Ninguém é merecedor do céu, porque todos somos pecadores. O céu é graça de Deus. E que graça!

Há um ditado bem popular, sempre dito por nossos pais e avós, mas na verdade são palavras de Santo Afonso de Ligório, doutor da Igreja, que diz “Quem reza se salva…”

A Igreja, sabedora de tudo isso, nos ajuda nesse caminho de humildade, fazendo-nos reconhecer pecadores, e dependentes de Deus para nossa salvação. Notemos a Missa… Já de início, no Ato Penitencial, pedimos ao Senhor, por três vezes, “piedade”. No Rito Eucarístico, sobre as espécies já consagradas, também rezamos ao “Cordeiro de Deus” que tira o pecado do mundo, que tenha piedade de nós. No “Pai-Nosso”, pedimos a Deus para perdoar-nos os pecados. Antes de comungar, ainda, dizemos ao Senhor que não somos dignos que Ele entre em nossa casa.

Se procurarmos na Bíblia, também acharemos situações que retratam bem isso que estamos escrevendo. Lembremos da parábola do Fariseu e do Publicano (Lucas 18,9-14), onde este pede ao Senhor que tenha piedade dele, ao contrário do Fariseu, que rezava cheio de vanglória e certo da sua salvação. Segundo Jesus, o primeiro saiu justificado da oração, o segundo, não. Lembremos, ainda, do cego Bartimeu (Mc 10,46-53), à beira da estrada, que pede ao “Filho de Davi” que tenha piedade dele.

A nós também é oferecida a salvação, pela graça de Deus. Aproveitemos para rezar por ela, assim como nos proporciona a Igreja, assim como nos ensina santo Afonso, assim como vemos na Bíblia, assim também como em muitas orações que fazemos. A diferença está como fazemos nossa oração. Façamos um teste! Que ela seja, a partir de hoje, saída do nosso coração e não apenas da nossa boca, reconhecendo verdadeiramente o senhorio de Deus e nossa eterna dependência dEle.

Adilson Angolini – Oblato Corpus Christi



COMPARTILHE ESTA PAGINA


Deixe um comentário

     
 Notícias

  14 dez, 2015
Papa abre a Porta Santa da Basílica de São João de Latrão

  13 dez, 2015
Pais perdem guarda dos filhos por serem “muito cristãos”

  13 dez, 2015
Bispos norte-americanos pedem ação urgente contra ‘pecado mortal’ da pornografia

  21 abr, 2015
O número de católicos aumentou 12%


 O que estamos fazendo
 
  1 nov, 2016
… para a galerinha de 08 a 10 anos

  29 jun, 2016
Não perca!